sexta-feira, 21 de outubro de 2011

A polêmica das remoções em Vila Autódromo

Começou dia 19, quarta-feira, o cadastramento dos moradores da Vila Autódromo, em Jacarepaguá, pela Prefeitura do Rio para a remoção da comunidade, visto que esta encontra-se nas proximidades da região em que serão construídos o Parque Olímpico e a rodovia Transcarioca. Diante da urgência do governo em projetar o Rio como cidade atrativa para investimentos e turismo e, em cumprir os acordos com as confederações internacionais de esporte e as especulações imobiliárias, adotou-se a política de demolição de casas pobres.

As remoções na Vila Autódromo ganharam certa visibilidade através da mobilização de movimentos sociais, de relatórios de violação do direito à moradia, de denúncias da ONU e notícias em diferentes meios de comunicação, de pequeno e largo alcance, inclusive internacionalmente. Para amenizar a polêmica da situação e o desgaste da imagem da Prefeitura, no último domingo, dia 16, o Secretário Municipal de Habitação do Rio de Janeiro Jorge Bittar foi à Vila Autódromo apresentar aos moradores o projeto de construção do Residencial Parque Carioca.

Várias pessoas que vivem na comunidade foram ouvir o Secretário e apresentar suas dúvidas, reivindições, protestos e histórias. Havia moradores esperançosos com o novo projeto habitacional, e outros que o rejeitavam. Uma diversidade de opiniões e muitas incertezas. Todos, porém, estavam ali em defesa de um lugar para viverem com dignidade.

O Residencial Parque Carioca será construído com recursos do programa federal "Minha casa, minha vida" a cerca de um quilômetro da Vila Autódromo, com previsão de ser concluído em 2013. O terreno fica na Estrada dos Bandeirantes, próximo ao Projac. De acordo com o Secretário Bittar, conta com uma área de preservação ambiental e uma "área mais baixa em que dá para fazer parque, por churrasqueira, além de espaço para construir escola, posto de saúde, creche e atividade comercial".


Foto de Domingos Peixoto - Agência O Globo
Secretário Municipal de Habitação Jorge Bittar dialoga com moradores da Vila Autódromo

3 comentários:

Sil Bahia disse...

Aqui é a Silvana do Observatório de Favelas - Organização da Sociedade Civil sediada no conjunto de favelas da Maré, que atua na área de direitos humanos. Estamos realizando um levantamento de veículos de comunicação alternativa em favelas do Rio e gostaríamos muitíssimo de conversar com alguém que pudesse responder pelo blog A Segunda Cidade. Seria possível? Se sim, há como conversarmos por telefone? Por favor, envie o contato para meu email silvana@observatoriodefavelas.org.br

Atenciosamente,
Silvana.

dom.paulobaia disse...

ótimo texto.
Preciso,necessário e didático.
Com a coragem cívica de quem é comprometido com o Estado Democrático de Direito pleno.
Um belo e exemplar exercício de promoção de visibilidades aos que são invisibilizados pelos mútilos poderes das opressões concretas e simbólicas do dia a dia do Rio de Janeiro.
Um avatar de defesa real dos vulneráveis em nossa cidade sitiada por individualista fóbicos que produzem centenas de refugos humanos diariamente.
Paulo Baía.
IFCS/UFRJ.

dom.paulobaia disse...

ótimo texto.
Preciso,necessário e didático.
Com a coragem cívica de quem é comprometido com o Estado Democrático de Direito pleno.
Um belo e exemplar exercício de promoção de visibilidades aos que são invisibilizados pelos mútilos poderes das opressões concretas e simbólicas do dia a dia do Rio de Janeiro.
Um avatar de defesa real dos vulneráveis em nossa cidade sitiada por individualista fóbicos que produzem centenas de refugos humanos diariamente.
Paulo Baía.
IFCS/UFRJ.